Sou contra a reabertura das escolas em época de pandemia

Vivemos um período bem preocupante nos últimos tempos. O aumento nos casos de coronavírus no país nos faz ter muitas preocupações e uma delas é sobre a reabertura das escolas públicas e particulares. Alguns estados já discutem o retorno às aulas, entre eles São Paulo, que prevê a abertura para o dia 8 de setembro.

Sou contra a volta às aulas durante esse período de turbulência epidemiológica. Não podemos colocar em risco a saúde de nossas crianças e adolescentes. Expô-los a um vírus mortal por causa de decisões inconsequentes de alguns gestores. Além dos estudantes também estarão em perigo professores, merendeiras, auxiliares de limpeza, entre outros profissionais das instituições de ensino.

Tenho filhos pequenos e netos em idade escolar e não me sentiria tranquilo se tivesse que mandá-los de volta para a sala de aula. É melhor perder o ano letivo do que ser contaminado com uma doença ainda pouco conhecida por médicos e pesquisadores.

Muitos dos meus seguidores nas redes sociais compartilham da mesma opinião. Digo isso porque no início dessa semana fiz uma enquete sobre o assunto, que alcançou 27 mil pessoas. Das que responderam, 85% afirmaram ser contra a reabertura das escolas. As justificativas são diversas, porém a que prevalece é o medo que os pais têm de os filhos contraírem a covid-19 e transmiti-la para pessoas da família que estão no grupo de risco (avô, avó, hipertenso, diabético, etc). Essa possibilidade é real e deve ser considerada por prefeitos e governadores.

Aulas à distância – Uma das soluções para reduzir o prejuízo dos alunos é investir em aulas à distância, online. As escolas privadas têm utilizado ferramentas digitais para colocar em dia o cronograma escolar e para evitar que crianças e adolescentes fiquem sem estudar.

Claro que muitas famílias ainda não se adaptaram à nova realidade, mas é melhor do que expor as crianças e os jovens às salas de aulas lotadas em época de pandemia.

Infelizmente, os alunos de escolas públicas não têm tido a mesma oportunidade. Além das dificuldades provenientes do próprio sistema público, os jovens se deparam com a falta de recursos por não disporem de computadores nem de internet.

A pesquisa TIC Educação 2019, divulgada em junho, aponta que 39% dos estudantes de escolas públicas urbanas não têm computador ou tablet em casa. Nas escolas particulares, o índice é de 9%.Quanto a conectividade, 21% dos alunos de escolas públicas só acessam a internet pelo celular. Na rede privada, o índice é de 3%.

Cabe aos governadores e prefeitos solucionarem o problema para que brasileiros em idade escolar não sejam prejudicados. A pandemia expôs ainda mais o péssimo ensino público brasileiro e a desigualdade social. Milhares de crianças e adolescentes estão sem aula por causa da ineficiência de alguns gestores.

Para eles, é mais fácil aglomerar estudantes em um prédio do que dar a eles acesso a um ensino à distância de qualidade.