Solidariedade: 7 anos contribuindo para um Brasil mais justo para os brasileiros

Há sete anos nascia um partido preocupado com os brasileiros: o Solidariedade. Não à toa escolhemos esse nome para a legenda que nasceu com a missão de ser porta-voz dos mais pobres, dos trabalhadores, aposentados e de todos que acreditam em um Brasil mais justo e igualitário.

O Solidariedade tem origem na consagração dos princípios democráticos no Brasil. Em tempos em que o mundo se volta para a extrema direita, os solidários lutam pela preservação da democracia em nossa nação.

Acreditamos que somente em um país democrático somos capazes de melhorar as condições de vida do nosso povo, que está cada vez mais abandonado, sem assistência. Vivenciamos um governo que só pensa em retirar direitos dos trabalhadores e que não tem empatia com quem sofre na extrema pobreza. Para eles, essas pessoas são invisíveis.

Durante a pandemia conhecemos as verdadeiras faces dos atuais gestores, que preferem ver o povo sofrer a buscar soluções. Mas o Solidariedade nunca baixou a cabeça e se vendeu para nenhum governo. Desde a nossa fundação, estivemos presentes nos principais debates do país. Já nascemos fazendo história.

Na crise econômica do coronavírus, defendemos medidas importantes para que o Brasil não entrasse em colapso. Nosso compromisso mais importante foi com a criação e manutenção do auxílio emergencial de R$ 600.

Como presidente nacional do Solidariedade e deputado federal, me orgulho muito por termos lutado na Câmara dos Deputados por esse valor, que ajudou milhares de famílias em situação de vulnerabilidade. Trabalhadores informais, autônomos e mães de família que da noite para o dia perderam suas rendas, puderam contar com o auxílio. Se não fosse pelo nosso empenho e de outros parlamentares, esses brasileiros estariam desassistidos e passando fome.

Nossos deputados também votaram a favor de projetos de apoio às microempresas e do auxílio para estados e municípios. Votamos leis para liberação de mais recursos para o SUS; liberamos os estudantes do pagamento de parcelas do Financiamento Estudantil (Fies), defendemos projetos de apoio aos agricultores familiares e profissionais da cultura. Essas e outras ações têm a marca do Solidariedade.

Pensar na população e no crescimento do país. É isso que nós, do partido Solidariedade, fazemos. Pensamos no bem-estar dos brasileiros, sobretudo nos menos favorecidos. Não estamos interessados se o governo é A ou B. Queremos mesmo é melhorar a vida da população com projetos que fomentem a distribuição de renda, o desenvolvimento social, que promovam a inclusão, a dignidade, a valorização da vida e o respeito à diversidade.

O Solidariedade é feito de pessoas. Todas com ideais de melhorar o Brasil para quem mais precisa. Somos Solidários!