Politização da Covid-19 não é bom para ninguém

Há quase dois meses, o Brasil entrou em isolamento social por causa do coronavírus. Além dos brasileiros serem assolados por uma doença desconhecida e que se espalha rapidamente, presenciam a ingerência de um governo que se perde a cada dia com guerras políticas infinitas e que só levam o país a incertezas.

Após demitir Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde, o presidente Jair Bolsonaro começou a atacar o Congresso Nacional. Não esperou nem o dia seguinte para isso. Uma semana depois, mais uma crise gerada no Palácio do Planalto. Ao exonerar sem motivo aparente o diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, causou um embate sem precedentes com o então ministro da Justiça, Sérgio Moro, que pediu demissão do cargo.

Todo esse desgaste político tira a atenção do que é realmente importante nesse momento: conter os impactos do coronavírus.  Ao politizar a Covid-19, Bolsonaro desvia o foco da doença e ganha tempo para cometer equívocos que vão prejudicar todos os brasileiros, principalmente os mais pobres.

Insatisfeito com as decisões de governadores, prefeitos e do Congresso, Bolsonaro atira para todos os lados. Em suas redes sociais faz ataques sem fundamentos ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia; ao Supremo Tribunal Federal (STF) e aos gestores estaduais. Com isso, ele não agride apenas o legislativo, o judiciário e os governadores, mas a democracia e a Constituição Federal. Além disso, subestima a inteligência do brasileiro.

Essa não é a primeira vez que Bolsonaro distorce fatos para se favorecer e “aniquilar inimigos”, que só existem em sua cabeça. O presidente usa ferramentas digitais, como Facebook e Twitter, para espalhar Fake News sobre suposta trama para retirá-lo do poder. Tenta colocar o povo contra instituições democráticas para, assim, colocar em prática seus planos nada inocentes.

Salvar vidas – Não podemos continuar com essa “Guerra Fria”, criada pelo presidente e o seu comitê do ódio. A Covid-19 é uma doença grave e desconhecida. Ainda não há vacina nem medicação para combatê-la. Neste momento de incertezas, devemos nos unir para salvar vidas e não para colocá-las em risco.

Bolsonaro tenta convencer a população que o melhor caminho é ignorar o vírus e voltar à “vida normal”. Mas, diante da pandemia, a vida deixou de ser normal há muito tempo. A economia é importante, mas o que será dela sem pessoas saudáveis? Sem um sistema de saúde forte e capaz de controlar a doença.

O Congresso tem feito a sua parte. Todos os dias, deputados e senadores discutem, votam e aprovam projetos importantes para combater o coronavírus e os seus efeitos na economia. Sabemos que milhares de pessoas no Brasil passam dificuldades, desde que a crise começou. Por isso, aprovamos o auxílio emergencial, a ajuda aos estados e municípios, reconhecemos o estado de calamidade e outros projetos que dão segurança jurídica para o governo agir.

Enquanto o presidente Bolsonaro continuar com as guerras políticas, deixando de lado as ações de combate à pandemia, a crise tende a se agravar. Isso vai colocar em risco a vida de milhares de pessoas.

Não queremos guerra com o Planalto. Queremos retirar o Brasil do caos chamado coronavírus. Para isso, Congresso e Governo Federal devem trabalhar em conjunto. Trabalhar a favor do povo e pelo Brasil.