Irresponsável é o governo Dilma, não os aposentados

Alguns ventríloquos do governo Dilma Rousseff estão dizendo que a extensão aos aposentados do reajuste do salário mínimo foi uma irresponsabilidade. Que isso provocará um déficit de alguns bilhões de reais e dificultará o fechamento das contas do governo.

Essas pessoas se esquecem de dizer que cerca de 80% dos 28 milhões de aposentados do setor privado ganham hoje apenas um salário mínimo –R$ 788. Quem se aposentou pagando sobre quatro, cinco ou mais salários mínimos, alguns anos atrás, foi perdendo o poder aquisitivo, já que só teve nos últimos oito anos a reposição da inflação apurada pelo INPC.

Enquanto isso, graças à luta das centrais sindicais, o salário mínimo teve reajustes que somaram a reposição da inflação, mais o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) de dois anos antes. Em alguns anos, o salário mínimo chegou a subir quase o dobro do reajuste que foi dado aos aposentados. Essa injustiça não pode continuar.

Por isso, eu e os deputados Arnaldo Faria de Sá e Mendonça Filho apresentamos, na Medida Provisória que mantém a fórmula do reajuste do salário mínimo até 2019, uma emenda que estendeu aos proventos dos aposentados esse mesmo reajuste. Quem pagou durante 30 ou 35 anos para se aposentar com um pouco a mais não pode ser responsabilizado pela incompetência do governo Dilma.

Os ventríloquos e a mídia em geral estão batendo tanto na política que conseguimos que, daqui a pouco, os aposentados vão ficar com dó e irão devolver o dinheiro para o governo.

Irresponsabilidade é gastar R$ 21 bilhões para amortecer o serviço da dívida do governo.

Irresponsabilidade é praticar a mais alta taxa de juros do mundo.

Irresponsabilidade é manter 39 ministérios e milhares de cargos em comissão na administração direta e nas estatais.

Irresponsabilidade é produzir a pior das recessões dos últimos anos, jogando milhões de trabalhadores no desemprego.

Isso que estão fazendo, dizer que vão gastar R$ 9 bilhões a mais, é terrorismo contra os aposentados. É tentar jogar a opinião pública contra os aposentados que construíram este país.