Desenvolver para gerar empregos

Um dos fatores que mais preocupa a classe trabalhadora nestes tempos de crise econômica é, sem dúvida, o desemprego, cuja escalada já ceifou perto de doze milhões de postos de trabalho em todo o setor produtivo.

Para que este mal seja contido e as contratações sejam reaquecidas, entretanto, faz-se necessário um esforço hercúleo no sentido de se debelar tudo aquilo que, de uma forma ou de outra, alimenta e fortalece a recessão, como por exemplo os juros altos, o crédito caro, a inflação crescente, a perda do poder aquisitivo dos trabalhadores e das aposentadorias e a queda nos investimentos.

O Brasil precisa de novas perspectivas, e o povo brasileiro de um alento para continuar seguindo adiante com dignidade. A Força Sindical e as demais centrais estão empenhadas em reverter este quadro econômico que aí está. Mas, somado a isto, o governo tem de rever seus conceitos, elaborar políticas que fomentem a produção e o consumo, gerando mais emprego e renda, e parar de privilegiar o setor especulativo em detrimento dos trabalhadores, o lado mais vulnerável do cabo de guerra “Crise x Desenvolvimento”.

A verdade é que nós não podemos mais continuar arcando com um ônus tão injusto e pesado como vem acontecendo. E que não foi por nós provocado!