Trabalhadores nas ruas contra juros altos e abusivos

Amanhã, 20, o Copom dará início à reunião que definirá se a taxa básica de juros (Selic) vai permanecer nos atuais e proibitivos 14,25% ou se vai subir ainda mais. Sim, porque baixar, que seria a única opção sensata, é uma hipótese praticamente descartada. A reunião terminará na 4ª feira, 21, quando o resultado será anunciado. Ainda na 3ª feira, dia do início da reunião, a Força Sindical, ao lado das demais Centrais, estará realizando, às 10:30 horas, um ato em frente ao prédio do Banco Central (Av. Paulista, 1.804), em protesto contra os juros altos e abusivos.

A postura do governo Dilma, tão combatida pela nossa Central, de manter os juros altos como uma “tentativa” de conter a inflação, tem se mostrado ineficiente, como é facilmente comprovado quando vamos ao supermercado ou quando recebemos nossas contas de água e luz.

E, além de infrutífera para o controle inflacionário, a postura do governo, com sua política econômica equivocada e suas tentativas mirabolantes de aumentar a economia do setor público para pagar os juros de sua própria dívida, frustra tanto os trabalhadores como o setor produtivo, achata os salários, enfraquece ainda mais a produção e o consumo, torna o crédito mais caro, faz crescer o já enorme contingente de desempregados no País e inibe o PIB brasileiro, transformando-o num “Pibinho raquítico e enfraquecido”.

Privilegiar banqueiros e os grandes especuladores em detrimento dos trabalhadores brasileiros, que veem seus salários não durar até o final do mês e a ameaça de demissões rondando seus lares, não vai levar a economia nacional a lugar nenhum. O que se faz necessário para o combate à crise é a viabilização de um projeto de desenvolvimento para o País que traga contrapartidas para os trabalhadores, reduzir os juros, investir pesado no parque produtivo, gerar empregos de qualidade e promover uma distribuição de renda mais justa.

Amanhã estaremos nas ruas contra os juros altos, e precisamos do apoio de todos para fortalecer nossa luta por um Brasil mais justo e igualitário!