Miguel Torres: “Mantega age como Robin Hood às avessas”

Causou estranheza e perplexidade a entrevista do ministro Guido Mantega, da Fazenda, afirmando que irá reduzir despesas como o seguro-desemprego, o abono e o auxílio-doença. O infeliz comunicado revela que o ministro age como um Robin Hood às avessas. Para fazer superávit primário, devido aos juros altos, Mantega quer retirar direitos dos trabalhadores e oferece benefícios aos especuladores.

É inadmissível que o ministro da Fazenda Guido Mantega, em fase de despedida do governo, queira fazer os trabalhadores pagarem a conta de políticas econômicas equivocadas, que sempre visam privilegiar os especuladores em detrimento da produção e do emprego. Vale ressaltar que temos a triste marca de sermos campeões mundiais de juros, que passamos por um processo de desindustrialização, registramos uma expressiva queda no nível de atividade econômica, estamos presenciando a inflação voltar com força e teremos um PIB anêmico em 2014.

O governo precisa rever sua política econômica. Manter os juros nas alturas e aumentar tarifas não contribui em nada para alavancar nossa economia.

Não vamos nos calar diante de mudanças trabalhistas e previdenciárias, feitas na calada da noite, que penalizem os trabalhadores brasileiros. Qualquer mudança deve ser ampla e democraticamente debatida com as Centrais Sindicais, que são representantes legítimas da classe trabalhadora.

O governo precisa abrir o diálogo com os trabalhadores. Temos muito a contribuir para melhorar o País. Melhoras estas que passam pela Pauta Trabalhista, que cobra, entre outros pontos, a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, a política de valorização do salário mínimo, a revogação do Fator Previdenciário, reajustes dignos para os aposentados, juros menores, a correção da tabela do IR, a destinação de 10% do PIB para a saúde, igualdade de oportunidades entre homens e mulheres e investimentos em saúde, educação, segurança, transporte e moradias.

Nota oficial da Força Sindical