Diálogo já!

Caos absoluto, mortes, vândalos espalhados pela cidade, toque de recolher para a população de bem. Quando se está no meio do caos, não dá tempo de avaliar porque chegamos neste estado. Mas, a verdade é que estamos cansados de saber o porquê.
O estado do Espírito Santo está sem segurança pública desde sábado (4/2), quando familiares de policiais militares e bombeiros fecharam as entradas e saídas de quartéis e batalhões. Desde então, a população está onde marginais deveriam estar, presa.
Trancaram suas casas, estão em vigília para preservar seu bem mais precioso, a vida. Só na Grande Vitória já foram registradas mais de 50 mortes, segundo o Sindicato dos Policiais Civis do ES.
Diante da situação pouco noticiada pela mídia e o medo iminente do caos maior, se é que é possível, convido você, a refletir sobre a situação.
Será que podemos julgar o ato dos militares e bombeiros? Profissionais expostos diariamente a todo tipo de situação. Confrontam meliantes municiados de fuzis, enquanto as armas que possuem não passam de revólveres. A frota totalmente sucateada. Sem reajuste há sete anos. Total falta de perspectiva de carreira.
A medida tomada pelo Governo de pedir ajuda à Força Nacional é paliativa e neste momento é preciso avaliar e projetar uma solução definitiva para que os capixabas não sofram mais. Precisam dar um basta na impunidade e trazer a PM e os bombeiros de volta à ativa. Todos nós precisamos parar de procurar culpados e pressionar. Vamos fazer também a nossa parte.
Como parlamentar, representante do Congresso Nacional, venho por meio deste texto pedir ao Governo do Espírito Santo, onde nasci e resido, que articulem com a classe. Ouçam suas necessidades e tentem, na medida do possível, atendê-los. A vida deles e a nossas vidas dependem disso. Diálogo já!