Solidariedade/MG disputará as eleições municipais em mais de 350 municípios

O Solidariedade/MG está trabalhando duro para conseguir um grande resultado nas urnas em 2020. O partido planeja disputar as eleições em mais de 350 municípios e projeta eleger, pelo menos, 30 prefeitos, 55 vices e 400 vereadores em todo o estado.

“Devido a proibição de coligação nas eleições proporcionais, a forma de organização de campanha mudou e nos obrigou a começar o trabalho com as pré-candidaturas desde de 2019, reavaliando todas as nossas comissões provisórias, estabelecendo metas e compromissos com todos os nossos dirigentes partidários municipais”, explicou o presidente estadual e líder da bancada do Solidariedade na Câmara, Zé Silva.

O trabalho que vem sendo realizado já obteve bons resultados com um aumento de 40% no número de filiados de outubro do ano passado para abril desse ano, chegando a pouco mais de 30 mil em todo Estado. Um grande resultado, que motivou a executiva estadual a seguir com suas estratégias, mesmo com a pandemia do novo coronavírus.

“A pandemia trouxe um ‘novo normal’ para a vida de todos e para as eleições de 2020. A pré-campanha em que estamos vivenciando nos trouxe um novo formato de interação e uma nova maneira de política. Estamos utilizando ferramentas de teleconferência para realizar planejamentos, análise de viabilidade de candidaturas municipais, alinhamentos e pesquisas digitais”, esclareceu o presidente.

Zé Silva reforçou o compromisso do partido e dos pré-candidatos, filiados, militantes e parlamentares de fazer a boa política. “A política é boa, depende de quem faz. Esse slogan que criamos no início do Solidariedade em Minas Gerais ainda é atual para o momento que vivemos. Só com pessoas boas como temos no partido podemos transformar a nossa realidade. Parabenizo a todos os pré-candidatos pela coragem de colocar seu nome a disposição da população e desejo sucesso na caminhada dessa campanha”, relatou.

O presidente se mostrou otimista com a organização do partido em Minas Gerais e finalizou com uma frase de Martin Luther, grande ativista político: “O que me preocupa não é o grito dos maus, mas sim o silêncio dos bons”.