Que vença a democracia!

Congresso Nacional

O mundo assistiu atônito à invasão do Capitólio, sede do Congresso Nacional dos Estados Unidos, por seguidores do presidente Donald Trump, derrotado pelo democrata Joe Baden na última disputa eleitoral, no final de 2020. Milhares de pessoas, insufladas por Trump, sob o argumento sem provas de que houve fraude no processo eleitoral, tentaram impedir com violência a cerimônia que certificaria a vitória de Joe Baden como presidente eleito dos Estados Unidos. O triste episódio vai ficar registrado como uma tentativa de golpe de Estado em uma Nação que se orgulha de seus mais de 200 anos de história republicana e democrática.

Os ataques à Democracia e às instituições estabelecidas para garantir o Estado de Direito, infelizmente de presenças constantes nos pronunciamentos de Trump e de seus simpatizantes pelo mundo, incluindo o Brasil, merecem o total repúdio de todos os cidadãos comprometidos com a ordem democrática e com as conquistas obtidas nos últimos séculos dentro do processo civilizatório da Humanidade.

É desse modo que o Solidariedade condena com veemência qualquer atitude que atente contra a Democracia, sobretudo no Brasil. A exemplo de outros países, assistimos à eclosão de grupos violentos de extrema direita, contrário aos direitos das minorias e favoráveis a regimes totalitários que querem ser respaldados não pela participação popular, mas pela força das armas.

Assim como nos Estados Unidos hoje, o Brasil corre o sério risco de em 2022 ver seu processo eleitoral frustrado na escolha do novo presidente da República por ações de grupos extremistas (cujos similares nos EUA têm sido classificados pela imprensa de lá como “máfia” e “terroristas domésticos”). Na ausência de respostas e ações firmes por parte das instituições brasileiras, esses grupos vão procurar impedir que se cumpra o resultado das urnas, caso seu candidato não seja o escolhido pela maioria da população.

É com muita apreensão que o Solidariedade avalia os pronunciamentos e atitudes do presidente Jair Bolsonaro, emulando o comportamento do seu afeiçoado Donald Trump, a quem já elogiou e imitou inúmeras vezes, principalmente quanto a duvidar dos resultados de pleitos eleitorais. Suas várias declarações questionando a legitimidade das urnas eletrônicas, assim como sua ameaça de não aceitar o resultado das eleições presidenciais de 2018 caso estas dessem a vitória ao seu adversário no segundo turno, Fernando Haddad, apenas reforçam que o presidente brasileiro traz o ímpeto de golpear a democracia do nosso país.

O Solidariedade é um partido que foi criado sob a égide da democracia, trazendo na sua essência os  valores do Humanismo e do congraçamento dos povos, através, principalmente, da luta democrática dos trabalhadores na busca por melhores condições de vida para o conjunto da população. Dessa forma, nosso Partido será sempre um defensor do Estado Democrático de Direito e fará de tudo para preservar e fazer avançar a ainda jovem democracia do nosso país.

Nossa luta, portanto, é para que a Democracia seja a grande força popular no Brasil. Só assim conseguiremos construir uma Nação mais justa e solidária.