Prisão de Bumlai só confirma fraude na campanha do PT, diz líder do Solidariedade

Maia quer que TSE condene as contas da presidente Dilma, ou então, a prisão de Bumlai na 21ª fase da Lava-Jato terá sido “uma injustiça praticada pelo Judiciário”. (Foto: Antonio Barbosa da Silva)

O líder do Solidariedade, deputado Arthur Oliveira Maia (BA), afirmou que a prisão do pecuarista José Carlos Bumlai, na manhã desta terça-feira (24), confirma a fraude na campanha do Partido dos Trabalhadores (PT). O parlamentar fez um apelo para que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) condene as contas da presidente da República Dilma Rousseff, ou então, a prisão de Bumlai na 21ª fase da Lava-Jato terá sido “uma injustiça praticada pelo Judiciário”. A declaração foi feita durante sessão no plenário da Câmara dos Deputados, na tarde desta terça.

“A prisão de Bumlai, amigo e frequentador assíduo do gabinete do ex-presidente Lula, segundo consta na imprensa, está intimamente relacionada a fatos que confirmam a ligação estreita entre Lula e seus familiares e com a campanha do PT, feita com dinheiro roubado da Petrobras. Mais um fato que consolida a noção de que temos uma eleição fraudada. O TSE deve ao Brasil uma imediata posição acerca deste assunto, ou então, a prisão de Bumlai será uma injustiça praticada pelo Judiciário, o que eu não acredito”, afirmou Maia.

O amigo de Lula

Preso na nova fase da Lava Jato, chamada de Passe Livre – levou esse nome porque Bumlai tinha livre acesso ao Palácio do Planalto – o pecuarista é acusado de fazer tráfico de influência usando o nome do ex-presidente Lula e até de seus parentes. A prisão dele aproxima as investigações do nome do ex-presidente Lula aos desvios de dinheiro da Petrobras e abre uma nova frente de apurações sobre as fraudes em empréstimos concedidos pelo Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES).

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a prisão de Bumlai se insere em um esquema de corrupção e fraude para pagar dívidas da campanha da reeleição, do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, conforme os depoimentos de delatores e provas que embasaram a decretação da prisão do pecuarista pelo juiz Sérgio Moro.

“José Carlos Bumlai se insere totalmente neste quadro [corrupção, fraude e lavagem sistêmica], pois as provas indicam que disponibilizou seu nome e suas empresas para viabilizar, de maneira fraudulenta, a partido político, com todos os danos decorrentes à democracia”, descreveu Moro, no decreto de prisão divulgado nesta terça-feira (24).

Para Maia não há dúvidas de que o Partido dos Trabalhadores cometeu diversas irregularidades na campanha eleitoral do ano passado da presidente Dilma.

“Não é possível que membros do PT ainda tenham o desplante de não assumir que o Partido, através da sua direção, de fato operou para que o dinheiro roubado da Petrobras fosse utilizado para fazer campanhas políticas do PT. Faço um apelo ao TSE para que a Corte decida pela condenação das contas da presidente Dilma. Ela fradou a eleição e utilizou a máquina do governo federal para roubar dinheiro do povo brasileiro com claros propósitos eleitorais”, criticou o líder do Solidariedade.
Edição- Polianna Furtado
(Com informações da assessoria de imprensa do deputado Arthur Oliveira Maia e do jornal Folha de S.Paulo)