Henrique Oliveira destaca ações do Amazonas que contribuem para a redução dos casos de malária

Intensificar as ações de combate e melhorar as abordagens de tratamento e controle da malária no Estado foi o foco principal do 2º Seminário Estadual alusivo ao Dia Mundial de Luta Contra a Malária, realizado nesta terça-feira, 25 de abril, no auditório do Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam), no bairro Dom Pedro, zona Centro-Oeste de Manaus. O evento foi realizado pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) e contou com autoridades da área de saúde e com a presença do governador em exercício, Henrique Oliveira, que enfatizou os trabalhos em âmbito estadual para alcançar o menor índice da doença na região.

“O Governo do Amazonas tem incentivado esse combate através da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas, e recentemente com as ações do Barco Pai, que vai visitar as calhas levando a campanha e executando medidas para amenizar os problemas de saúde junto à população. Saúde e combate à malária não se faz dentro de gabinete, se faz nas ruas e nos municípios. E vamos continuar com esse mesmo empenho, e onde tiver uma pessoa ou cidade vulnerável atuaremos com rigor para alcançarmos os menores níveis da doença”, explicou o governador em exercício, Henrique Oliveira.

Entre 2015 e 2016, o Amazonas registrou uma redução de 32% nos casos de malária. Conforme relatório da FVS, os investimentos do Governo Estadual tem surtido efeito na redução dos casos. O Amazonas saiu de 74.309 mil casos, em 2015, para 49.928, em 2016. Em torno de 11 municípios amazonenses ainda apresentam 60% dos casos da doença no Estado, sendo que 20% são de territórios indígenas. O diretor-presidente da FVS, Bernadino Albuquerque, ressaltou a importância das ações de combate à doença nessas localidades.

“O que vem sendo discutido é um meio de tratamento que possa facilitar a vida do doente e tratar as áreas de riscos também. Temos a região do alto Rio Negro ainda com um índice alto, mas estamos com nossos agentes entrando nessas áreas e realizando os trabalhos de prevenção. Para isso, é necessária estratégia específica junto aos Distritos Sanitários de Saúde Indígena em parceria com as demais esferas dos governos estadual, federal e municipal”, afirmou Bernardino Albuquerque.

O Governo do Estado já investiu R$ 4 milhões em equipamentos, insumos estratégicos, como, por exemplo, a distribuição de mosquiteiro impregnado, além da capacitação técnica continuada para que as equipe de endemias fossem estruturadas nos municípios e assim conseguissem fazer uma intervenção efetiva junto a população.