“Eu não consigo respirar” – Solidariedade repudia assassinato de homem negro em Supermercado no RS

O Dia da Consciência Negra amanheceu manchado de sangue vermelho que contempla todas as raças e etnias que existem no mundo. O brutal assassinato de João Alberto de Silveira de Freitas, negro, que foi espancado até a morte por um segurança e um PM brancos que estava prestando serviço em uma unidade do Carrefour no Rio Grande do Sul abalou o país e causou revoltas.

O ocorrido, por ironia, aconteceu às vésperas do Dia da Consciência Negra, que existe exatamente para conscientizar a sociedade sobre os motivos pelos quais os negros recebem menos oportunidades e o porquê que essas pessoas sofrem com o racismo latente em nossa sociedade.

Mais indignação nos causa ao ouvir o vice-presidente da República, Mourão, declarar que o crime não foi racismo porque “no Brasil não existe racismo”.

Não podemos mais admitir que vidas sejam ceifadas de forma tão cruel somente por causa da cor da sua pele e que autoridades fechem os olhos para a desigualdade de oportunidades e o racismo. Os diversos atos realizados em Justiça a João Alberto, no dia de hoje, devem ser cada vez mais intensos para que as pessoas se conscientizem e que as punições sejam mais duras e efetivas.

Por meio da sua Secretaria da Igualdade, o Solidariedade repudia a ação realizada no estabelecimento e espera que o caso seja investigado e os responsáveis punidos. Nossa solidariedade à família e amigos da vítima.

Não podemos ficar de braços cruzados vendo esse tipo de violência acontecer em nosso país e no mundo. Basta!

Luiz Adriano
Secretário Geral Nacional do Solidariedade