Deputado Zé Silva cobra do governo ações para que alunos de áreas rurais tenham melhor acesso ao FIES

“O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) , em toda sua estrutura e características, não faz nenhuma menção ou não vê nenhuma especificidade nas condições de vida e de educação de alunos brasileiros em escolas rurais.  Os jovens  do meio rural  não recebem do Governo  atenção especial, um olhar diferenciado e solidário com as suas condições, as desigualdades entre a realidade educacional do campo e da cidade são evidentes”, disse o deputado Zé Silva, durante  debate na Comissão-Geral da Câmara,  na pauta novas regras do Fundo de Financiamento Estudantil (FIES)  e as dificuldades enfrentadas pelos estudantes brasileiros para renovar e firmar novos contratos.

O tema foi debatido na manhã desta quarta-feira (25), por representantes do governo, estudantes, dirigentes de instituições de ensino superior privado e parlamentares durante a  Comissão Geral da Câmara dos Deputados.Zé Silva, representou a bancada do Solidariedade.

O parlamentar afirmou  que  os  estudantes do meio rural, enfrentam  “inúmeras“  dificuldades  relacionadas a prosseguir com os estudos. “Quando se compara a escolaridade dos jovens brasileiros,  entre a população urbana de 25 a 34 anos, 52,5% têm ensino médio ou superior. No meio rural esse percentual é de apenas 17%. O Brasil precisa ter programa  e  políticas públicas sustentáveis ,  não viver de política de “quatro em quatro anos”,  o  Fies  é uma bandeira que o Solidariedade , vai defender, vamos para as ruas, universidades, debater com o governo, mas é preciso ter igualdade de tratamento, explica Zé Silva.

Durante o debate o  ministro interino da Educação, Luiz Cláudio Costa, afirmou que as renovações de contratos do FIES serão garantidas.”Estamos falando de um dos programa de educação mais importante do Brasil,   dos 1,9 milhão de contratos do Fies em vigência, 1,2 milhão já foram renovados, segundo Costa. Somam 200 mil os estudantes que se inscreveram para novos contratos do programa neste ano. O prazo final para inscrições é o dia 30 de abril. Na avaliação do ministro, não será preciso ampliar o prazo,  todos os aditamentos serão garantidos”, afirma o ministro interino da educação.

Sobre as criticas feitas ao ministro relacionada ao aumento do teto do financiamento, o ministro afirmou que  uma comissão foi instalada para discutir os reajustes nas mensalidades. “Não aceitamos aumentos abusivos”.

“Devemos aproveitar esse momento, em que debatemos uma questão tão grave para milhares de famílias, para milhões de estudantes, para pensar também nas especificidades dos alunos de escolas rurais. E no âmbito dessa reformulação do FIES, encontrar uma maneira de apoiar os milhares de estudantes rurais do nosso País, resgatando com isso uma dívida social secular que o Estado brasileiro tem também com os jovens que vivem, trabalham e estudam no meio rural”, conclui  o deputado Zé Silva.