Deputado Francischini pede prisão preventiva do presidente da CUT por apologia ao crime

O deputado Fernando Francischini (Solidariedade-PR) solicitou, nesta última sexta-feira (14), à Procuradoria Geral da República, a prisão preventiva do presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, por apologia ao crime e formação de quadrilha.

Francischini também pediu a abertura de inquérito criminal contra a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por conivência com possíveis ações contra a população brasileira que foi às ruas em protesto no último domingo (16).

Armas na mão

Na quinta-feira (13), durante o evento “Diálogo com Movimentos Sociais”, em Brasília, Vagner Freitas afirmou que se houver “qualquer tentativa de atentado à democracia, à senhora (Dilma), ou ao presidente Lula, nós seremos um exército que vai enfrentar essa burguesia”.

“O que se vende hoje no Brasil é a intolerância, o preconceito de classe contra nós. Somos defensores da unidade nacional, de um projeto nacional. Isso significa ir para as ruas, entrincheirados, com armas na mão, se tentarem derrubar a presidenta Dilma”, discursou o sindicalista.

Ameaças

Francischini afirma que o povo quer ir às ruas e não aceita mais ameaças, principalmente de uma central sindical vinculada ao PT e que recebe verbas do partido.

“Insuflar a violência em manifestações é uma tática recorrente da CUT. Os brasileiros não podem ser ameaçados pelo presidente da CUT. As pessoas vão às ruas no domingo para se manifestar contra o governo do PT. A presidente Dilma está tentando se esconder atrás da CUT para esvaziar a manifestação”, disse Francischini.

Fonte: Renata Tôrres para o Solidariedade na Câmara