Artigo de Carlos Lacerda: Covid-19 afeta renda dos idosos

Há mais de um ano vivemos uma pandemia que parece não ter fim. O cenário geral é de fome, medo, morte e destruição. Para os idosos, as consequências da Covid-19 são ainda maiores, pois além de mudar por completo a rotina com a qual estavam habituados e perder o convívio com familiares e amigos, muitos foram gravemente afetados em suas vidas financeiras.

Muitos idosos perderam a batalha para o coronavírus e suas famílias, em luto, perderam também parte de suas rendas, porque suas aposentadorias complementavam ou eram o principal sustento do grupo familiar.

Com aumento do número de desempregados no país, alguns ainda passaram a ajudar financeiramente filhos e netos que perderam seus empregos na pandemia.

Outro fator que influenciou diretamente a queda nos rendimentos foi a alta do desemprego de profissionais com mais de 60 anos, dado confirmado pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). De acordo com o órgão, em 2020, houve redução de 14,3 mil postos de emprego com carteira assinada para profissionais nessa faixa etária em comparação com 2019. Ainda segundo o Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), entre o fim de 2019 e o segundo semestre de 2020, mais de 600 mil trabalhadores com mais de 60 anos perderam seus empregos.

A vacina poderá pôr um fim nessa desordem financeira, no entanto, é muito difícil afirmar que os idosos que foram demitidos terão seus empregos novamente num mundo pós pandemia, afinal, o mercado de trabalho não reconhece muitas vezes o valor desse profissional, que pode contribuir muito com a experiência adquirida ao longo dos anos.

Sendo assim, lutamos para que nossos idosos sejam respeitados e valorizados em todos os momentos de suas vidas. Basta de julgamentos e discriminações, precisamos de um país que lute em conjunto para que consigamos atravessar esse momento difícil de nossa história e saíamos vitoriosos.

Carlos Lacerda é o 2º secretário nacional de organização do Solidariedade.