Setor de serviços cresce pelo 3º mês seguido, mas ainda não elimina perdas com pandemia – G1

volume de serviços prestados no Brasil cresceu 2,9% em agosto, na comparação com julho, segundo divulgou nesta quarta-feira (14) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apesar de engatar a terceira alta seguida, o setor ainda não conseguiu eliminar as perdas com a pandemia e passou a acumular queda recorde em 12 meses.

Em 3 meses, o setor acumulou crescimento de 11,2%. O resultado, porém, ainda não foi suficiente para recuperar o tombo de 19,8% entre fevereiro e maio.

Segundo o IBGE, o volume de serviços segue 9,8% abaixo do patamar de fevereiro, mês que antecedeu o início das medidas de isolamento para contenção do coronavírus.

Na comparação com agosto de 2019, o volume de serviços recuou 10%, a sexta taxa negativa seguida nessa base de análise.

O desempenho do setor veio um pouco melhor do que as expectativas de analistas que apontavam para uma alta mensal de 2,3% e um recuo anual de 10,7%, segundo pesquisa Reuters.

Segundo o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo, para retomar o patamar pré-pandemia o setor de serviços ainda precisa avançar 10,8%. Ele destacou ainda que nenhum dos 5 segmentos pesquisados recuperou totalmente as perdas da pandemia.

“Nenhum [dos 5 segmentos do setor] voltou ao patamar pré-pandemia e mesmo com o acúmulo de taxas positivas torna mais difícil a recuperação porque a base de comparação está mais elevada. Então, as próximas taxas talvez percam um pouco de fôlego. A recuperação ainda vai levar algum tempo. Acho difícil que ocorra ainda esse ano. Em 2020, talvez a gente não veja isso”, avaliou.

Perda de 9% no acumulado no ano e queda recorde em 12 meses

No acumulado no ano, setor ainda tem queda de 9% frente ao mesmo período do ano passado, registrando expansão em apenas 25,3% dos 166 tipos de serviços investigados.

Em 12 meses até agosto, a perda acelerou para a taxa negativa recorde de -5,3%, vindo de -4,5% em julho, evidenciando as dificuldades de recuperação das atividades ligadas à prestação de serviços.

“A taxa dos últimos 12 meses recuou 5,3% em agosto de 2020, mantendo a trajetória descendente iniciada em janeiro de 2020 e chegando ao resultado negativo mais intenso da série deste indicador, iniciada em dezembro de 2012”, informou o IBGE

Segundo o IBGE, o volume de serviços no país está 19,8% abaixo do pico da série histórica da pesquisa, registrado em novembro de 2014.

Restaurantes e hotéis são destaques de alta

Setorialmente, 4 das 5 atividades mostraram avanço no volume de serviços em agosto, com destaque para serviços prestados às famílias (33,3%), impulsionados pela reabertura de restaurantes e hotéis.

Variação do volume de serviços em agosto, por atividade e subgrupos:

  • Serviços prestados às famílias: 33,3%
  • Serviços de alojamento e alimentação: 37,9%
  • Outros serviços prestados às famílias: 9,1%
  • Serviços de informação e comunicação: -1,4%
  • Serviços de tecnologia da informação e comunicação: -1,6%
  • Telecomunicações: 0,2%
  • Serviços de tecnologia da informação: -4,1%
  • Serviços audiovisuais: 3,3%
  • Serviços profissionais, administrativos e complementares: 1%
  • Serviços técnico-profissionais: 0,9%
  • Serviços administrativos e complementares: 0,8%
  • Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio: 3,9%
  • Transporte terrestre: 4,3%
  • Transporte aquaviário: -1,9%
  • Transporte aéreo: 14,6%
  • Armazenagem, serviços auxiliares aos transportes e correio: 2%
  • Outros serviços: 0,8%

Segundo o IBGE, a alta nos serviços prestados às famílias foi a maior da série histórica, mas o segmento ainda está distante de recuperar as perdas de março e abril, tamanha a queda. “Para que os serviços prestados às famílias voltem ao patamar de fevereiro, ainda precisam crescer 72,2%”, afirmou o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Outro destaque foi o avanço dos transportes, serviços auxiliares aos transportes e correios (3,9%). A atividade acumulou ganho de 18,8% em quatro meses, mas também não recuperou as perdas de março e abril (-25,2%).

Os demais avanços do setor vieram dos serviços profissionais, administrativos e complementares (1%) e outros serviços (0,8%). O único resultado negativo ficou com os serviços de informação e comunicação (-1,4%).

Dentre os segmentos e subgrupos que estão mais distantes do patamar pré-pandemia, destacam-se o de serviços prestados às famílias, o de transportes aéreo e os serviços audiovisuais.

O segmento de outros serviços é o que está mais próximo de eliminar as perdas com a pandemia, precisando avançar mais 1,1% para recuperar o patamar de fevereiro. Lobo explicou que o principal destaque são os serviços relacionados às atividades financeiras, sobretudo administração de bolsas de valores e corretoras de títulos imobiliários.

Regionalmente, 21 das 27 unidades a federação apresentaram expansão em agosto, com destaque para São Paulo (2,5%), Minas Gerais (5,8%), Rio de Janeiro e (1,9%) e Santa Catarina (3,4%). Já as principais pressões vieram do Mato Grosso (-2,7%) e de Tocantins (-5,5%).

Continue lendo