Desempregados na pandemia sofrem consequências de falhas das medidas de amparo do governo – G1

Em abril, a economia brasileira fechou mais de 860 mil empregos com carteira assinada. Foi o pior desempenho em 29 anos. Somando os resultados de março e de abril, foram 1,1 milhão de postos formais encerrados no Brasil.

Os números são o retrato do impacto da pandemia no mercado de trabalho. E muitos estão com dificuldade de conseguir o seguro-desemprego.

Joseane perdeu o emprego em março. Não conseguiu dar entrada no seguro-desemprego, porque as agências de atendimento ao trabalhador foram fechadas por causa da pandemia.

Ela buscou ajuda por telefone, mas não deu certo. “Aí teve um dia que eu fiquei tão irritada, tão irritada, que eu sentei com uma garrafa de água e uma xícara de café e eu liguei 233 vezes para o 158. Nenhuma vez atenderam”, conta.

Joseane não desistiu, baixou o aplicativo da Carteira de Trabalho Digital, mas parou no cadastro. “Chequei todos os dados e veio avisando que os dados estavam incorretos, havia uma incompatibilidade de dados no sistema”, afirma.

Mais de meio milhão de trabalhadores pediram seguro-desemprego na primeira quinzena de maio, um crescimento de 76% se comparado ao mesmo período de 2019, e a estimativa do Ministério da Economia é que 250 mil pessoas que perderam o emprego ainda nem deram entrada no pedido.

Continue lendo