Resposta virá das ruas

Com um índice de rejeição de 71%, a presidente Dilma Rousseff e seu partido tiveram a coragem de ocupar a cadeia (ops!) de rádio e TV para zombar da população brasileira. Enquanto o programa do PT era veiculado, um panelaço foi novamente ouvido. Além de minimizar a grave crise econômica que assola o país, a propaganda petista ironizou as manifestações com panelas.

Apresentado pelo ator José de Abreu, aquele que fez um personagem que vivia no lixão de uma novela, o programa também não tocou nos casos de corrupção que já levaram para a cadeia dirigentes do partido, funcionários graúdos das estatais e de empreiteiras. Nilo, o tal personagem de Abreu, mostrou que continua chafurdando no lixo.

Para a propaganda do PT, a culpa pela maior crise política, moral e econômica dos últimos anos seria de políticos que estariam tentando tumultuar o ambiente em nome de supostos interesses pessoais. Sabendo que sua batata está assando, os petistas tentaram taxar de “golpe” o movimento pelo impeachment de Dilma. Como se esse pedido já não tivesse virado um clamor nacional. Ninguém aguenta mais três anos de governo Dilma!

Todos sabem que sua campanha foi financiada por empreiteiras que tinham contratos com empresas do governo e que, se não colaborassem com a campanha, poderiam perder esses contratos. A roubalheira nas estatais e nos fundos de pensão passou da casa dos bilhões de dólares e serviu para o enriquecimento pessoal. Uma presidente que deixa tudo isso acontecer não tem condições de governar. Mas ela fez pior. Usou o dinheiro dos bancos públicos para bancar as despesas do governo. E isso não é permitido pela Lei de Responsabilidade Fiscal. Se o Tribunal de Contas da União (TCU) rejeitar suas contas, não restará ao Congresso outra saída se não cassar o seu mandato.

No próximo dia 16, as manifestações de rua vão demonstrar que esse também é o desejo do povo brasileiro!