Reduzir fortemente a taxa de juros

O atual momento de crise pelo qual o Brasil atravessa, com um mar de denúncias, falta de investimentos, desemprego desenfreado (mais de 14 milhões de vagas formais fechadas), salários achatados e crédito caro, entre tantas outras mazelas, segue penalizando a maioria dos brasileiros, justamente os menos afortunados.

E, enquanto isto ocorre, os tecnocratas do Comitê de Política Monetária, após sucessivas majorações na taxa básica de juros (Selic), fazendo-a chegar aos estratosféricos 14,25% a.a., insistem em promover uma redução “conta-gotas” nos juros, reduzindo-os, a cada reunião, de forma que pouco alento tragam para a sofrida classe trabalhadora e pouco representem frente ao mercado financeiro.

Nos próximos dias 30 e 31 o Copom estará reunido novamente, e esperamos que, desta vez, a redução aconteça de forma mais impactante. Só assim o País voltará aos trilhos do desenvolvimento econômico e os empregos irão ressurgir como esperamos.

A Força Sindical continuará pressionando para que os juros caiam. As manifestações continuarão acontecendo caso o Copom mantenha seu conservadorismo exacerbado em contraponto aos anseios de todos os brasileiros.

Reduzir drasticamente os juros é recolocar o País nos eixos. É conceder ao povo brasileiro a esperança de dias melhores e renda para milhões de famílias.