Nota Oficial

Novamente nos dias que antecedem a abertura da chamada “janela”, o período que possibilita a troca partidária, o Solidariedade enfrenta represálias, a partir de denúncias escandalosamente infundadas. Denúncias como esta, aliás, não são novidade e muito menos surpreendem um partido reconhecidamente combativo e que se posiciona contra os desmandos do governo.

Já absolvido com a unanimidade dos ministros do STF, ainda neste ano, o deputado Paulinho, que sempre defendeu a apuração dos escândalos de corrupção envolvendo o patrimônio público, volta a ser colocado na posição de réu. Responderá a um processo relacionado ao BNDES, logo onde deveriam estar sendo apurados rombos gigantescos no patrimônio nacional, que partem da gestão da instituição e que comprometem até o pescoço o governo da presidente Dilma e do seu antecessor, o ex-presidente Lula.

Sempre defendemos e fomos incentivadores de que o BNDES fosse passado a limpo, sobretudo após a Operação Lava-Jato. Nunca pudemos conceber que um banco público, destinado à fomentar o desenvolvimento nacional, impusesse tantas barreiras à concessão de crédito e incentivos a pequenas e médias empresas, e, por outro lado, praticasse a política das porteiras abertas a megaempresas e grandes construtoras – depois, indiciadas e condenadas.

Não é a primeira vez que Paulinho, no cumprimento do seu dever parlamentar, sindical e ético, passa de denunciante a investigado. No Ministério do Trabalho, lutamos para acabar com os sindicatos de fachada e a concessão de cartas sindicais à entidades irregulares. Foram propagandeadas afirmações caluniosas, além de represálias à Força Sindical.

As investigações relacionadas ao BNDES precisam e deverão acontecer. Entretanto, repudiamos a clara tentativa de utilizar-se de investigações para desgastar a imagem do Solidariedade, sobretudo num período decisivo para o crescimento do nosso partido, que não se apequena um milímetro a menos diante de tais artifícios. Pelo contrário, seguiremos firmes e ainda mais aguerridos no propósito de trazer à tona a verdade e a justiça.