Juros altos e crise econômica

Todos nós sabemos que os juros altos são um dos grandes responsáveis pela crise econômica que assola nosso País e provoca um desemprego assustador. Quer dizer: todos menos o governo, que perdeu duas ótimas oportunidades, nas duas reuniões passadas do Copom, de colocar a casa em dia. Ao baixar os juros em 0,25% em cada uma delas, o governo apenas ratifica sua persistência em caminhar totalmente na contramão dos anseios da sociedade brasileira.

O que o governo finge não perceber é que os juros nas alturas, além de provocar desemprego – por si só motivo mais do que suficiente para que sofram uma redução drástica –, afastam os investimentos no setor produtivo, impedem o reaquecimento da produção e do consumo, achatam os salários, encarecem o crédito, desestabilizam a moeda e causam a quebradeira de empresas, entre outras mazelas.

Manter os juros em patamares proibitivos é alimentar uma crise que segue penalizando toda a sociedade brasileira, principalmente aqueles de menor renda, a maioria absoluta de nossa população.

Uma redução contundente na taxa de juros seria, efetivamente, um fortificante bastante eficaz para que o País volte a caminhar por terreno seguro. Um atalho para que recuperemos o tempo perdido e possamos nos desenvolver econômica e socialmente almejando dias cada vez melhores.