Abordagem da economia agrícola

Período de eleições municipais é um tempo especial para circular ideias, sonhar com o futuro, trabalhar com as prioridades, conhecer novas realidades e colher informações mais agudas de cada município, sobretudo, na promoção e participação em diálogos e debates democráticos. Nessas andanças temos observado a circulação de boas ideias.

Tratando especificamente dos setores do agronegócio, é fato que a economia agrícola e o desenvolvimento social no meio rural são dimensões essenciais para o desenvolvimento sustentável e a melhoria da qualidade de vida de toda a população, das cidades e do campo. Em claro reconhecimento a esses fatos, os programas econômicos propostos em diversos municípios estão se voltando para as potencialidades locais da economia rural. São programas que trazem junto com a produção agrícola também projetos de infraestruturas sociais como telefonia, estradas, escolas, esportes, cultura e outros direitos de cidadania e qualidade de vida.

Uma das ideias que tenho visto é adotar o fortalecimento produtivo e da infraestrutura rural. E na economia, como ponto de partida, desenvolver programas de fomento à agricultura, à pecuária e demais atividades produtivas. E na agricultura familiar, apoiar o investimento em processos de agregação de valor, para a geração de renda e oportunidades de trabalho e de empreendedorismo.

Em linhas gerais, são ideias que avançaram e estão sendo apresentadas em diversos planos municipais de desenvolvimento econômico. Mas evidentemente que para alcançar seus objetivos e seus melhores resultados quase tudo depende da realização de objetivos específicos, seja com ações, projetos ou programas bem executados.

Creio que não há dúvidas de que o setor rural carece de programas produtivos articulados e desenvolvidos com o apoio e participação da administração municipal. Tomara que o debate que se vê sobre gestão municipal e economia contribua para uma fase de melhor qualidade nas políticas públicas e seus resultados para o desenvolvimento rural sustentável.

Conteúdos relacionados

Quem poderá nos defender?
Clàudio Janta
A política de cortar salários
Sem dano ao trabalhador