Solidariedade vai apresentar emendas para modificar pontos da reforma da Previdência

O presidente da República entregou, nesta quarta-feira (20), ao Congresso Nacional, o projeto de reforma da Previdência, que prevê a mudança de uma série de pontos que prejudicam os trabalhadores. O Solidariedade irá trabalhar para modificar algumas medidas que não acha justas com os brasileiros.

Entre vários itens que prejudicam os trabalhadores, destacamos alguns que vamos lutar para modificar.

As regras do governo são muito duras, a idade mínima de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, forçam as pessoas a trabalharem entre 46 e 49 anos para se aposentarem, sendo que em muitos municípios (inclusive em São Paulo) e em vários estados a expectativa de vida não ultrapassam 60 anos.

O homem do campo merece uma atenção especial. Sabemos que o trabalho duro o envelhece mais cedo e dificilmente conseguirão receber o benefício com essa proposta do governo.

O tempo de transição de 12 anos, faz com que os trabalhadores que foram contratados em um sistema, seja incluído em um outro regime que irá prejudicá-lo, obrigando-o a trabalhar por mais tempo para adquirir o benefício.

Outro ponto que não podemos aceitar é a idade igual para professoras e professores. Sabemos que as mulheres trabalham mais e, muitas vezes, tem até três jornadas.

Nas regras sugeridas pelo governo, o benefício poderá ser menor que um salário mínimo, isso não dá para aceitar. A reforma tem que ser justa e igual par todos.

O Solidariedade vai trabalhar para mudar esses pontos que prejudicam quem faz o Brasil crescer, que é o trabalhador.