Solidariedade repudia notícias de fraudes em assinaturas

O Solidariedade, na figura do seu presidente nacional, Paulo Pereira da Silva, vem a público esclarecer que o partido e seus apoiadores repudiam as práticas noticiadas de fraude de assinaturas nas manifestações de apoio à criação da sigla.

Com mais de 4.000 (quatro mil) voluntários coletando assinaturas de apoio em todo o Brasil, a única forma de evitar a ocorrência de tais fatos era submeter os apoios recebidos ao crivo dos Cartórios Eleitorais.

O trabalho eficiente e rigoroso dos Cartórios da Justiça eleitoral resultou no efetivo aproveitamento de pouco mais de 550 mil assinaturas dentre as mais de 1 milhão recebidas.

O partido lamenta a tentativa reiterada de um ex-dirigente sindical, o sr. Magno Mello, de manipular os meios de comunicação para disputar o comando do respectivo sindicato. Isto porque, além da gritante discrepância das assinaturas fraudadas e da ausência de qualquer proveito para um partido com mais de 1 milhão de manifestações de apoio, os supostos servidores lesados, em sua grande maioria, compunham o quadro de associados do sindicato apenas durante a gestão do ex-dirigente (2007-2010).

Em resposta ao quanto exposto, o partido decidiu adotar as seguintes ações:

1 – Requerer junto à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal a abertura de inquérito para apurar a suposta participação nas fraudes de assinaturas do ex-presidente do Sindlegis (Sindicato dos Servidores do Poder Público Federal), sr. Magno Mello e sua esposa, incluindo a coleta de material gráfico para perícia e quebra do sigilo telefônico dos referidos citados para verificação e apuração.

2 – Apresentar ações contra calúnia, injúria, difamação e má-fé pelos 27 diretórios estaduais do partido contra o sr. Magno Mello, devido às falsas acusações de fraudes.

3 – Solicitar a imediata abertura de processo administrativo disciplinar para apurar o uso ilegal da estrutura da Câmara dos Deputados pelo funcionário sr. Magno Mello, o qual estaria de forma indevida utilizando o aparato público para benefício pessoal – disputar o controle de entidade sindical, visando fazer falsas acusações, com o indisfarçável intuito de atribuir tais fatos à atual direção do sindicato, ao mesmo tempo, prejudicar e macular a imagem do Partido Solidariedade.

Aproveitamos para apresentar desculpas públicas às pessoas e seus familiares que tiveram a inclusão de assinaturas supostamente fraudadas, por pessoas que tiveram a intenção de tumultuar e criar dificuldades na criação do partido Solidariedade. É importante ressaltar que apesar de se tratarem de manifestações de apoio sem qualquer cunho vinculativo ou obrigacional de qualquer natureza das pessoas lesadas para com o partido, serão adotadas todas as providências legais a fim de alcançar e responsabilizar os responsáveis por tais atos.

Registre-se que apesar da irrelevante participação dos episódios revelados no universo de assinaturas coletadas (menos de 0,05%), o caráter repetitivo e sistemático das grosseiras fraudes apresentadas demonstram ação planejada e orquestrada a fim de obter proveito espúrio, cuja apuração se buscará a todo custo.