Solidariedade abre processo seletivo para curso de formação política para mulheres

A Secretaria Nacional da Mulher do Solidariedade e a Fundação 1º de Maio vêm, por meio deste, declarar aberto o Processo Seletivo do Lidera+, que tem como objetivo capacitar mulheres para concorrerem a um cargo municipal, estadual ou federal nas eleições.

O evento de lançamento do edital aconteceu na tarde desta quarta-feira (24), em Brasília, na presença da secretária nacional da mulher do Solidariedade, Eunice Cabral, do líder da bancada do partido, Augusto Coutinho, das deputadas da sigla, Dra Vanda Milani (AC) e Dra Marina Santos (PI), dos demais deputados federais da legenda, do secretário-geral nacional, Luiz Adriano, do vice-presidente da Fundação 1º de Maio, Sandoval Fernandes, e das secretárias da mulher em vários estados.

“Nós mulheres temos um papel importante, porque nós somos geradoras de vidas e conseguimos administrar ao mesmo tempo casa, família, trabalho, filhos, netos, por isso, quanto mais mulheres participando da política, mais poderemos fazer para o nosso país”, declarou a secretária Eunice Cabral.

O Lidera+ irá selecionar mulheres de todo país que participarão do curso composto por sete módulos presenciais e atividades remotas, ministrados entre agosto de 2019 e maio de 2020 por especialistas e lideranças do partido. Dentre os temas estão: formação política, planejamento de campanha, formação de rede de apoio e comunicação.

Na abertura do evento, Luiz Adriano trouxe um abraço do presidente nacional do Solidariedade e deputado federal, Paulinho da Força, e discursou sobre a importância de defender as causas femininas. “Nós vamos transformar o Solidariedade em um partido da mulher, que luta pelas causas femininas, porque os problemas das mulheres são inúmeros, como a desigualdade e a violência”, relatou.

“É um prazer muito grande receber as mulheres em nosso partido. Esse trabalho que a gente vem fazendo é importante porque ele é feito na base, só assim iremos conseguir fortalecer o partido”, explicou Augusto Coutinho.

Já o secretário de organização do Solidariedade, Kelps Lima, ressaltou que para participar da política é necessário ter experiência e técnica: “O Lidera+ é a ferramenta que dará a segurança e a experiência necessária para que essas mulheres possam disputar as eleições”.

As mulheres representam 51% da população do país. Apesar disso, a participação feminina na política ainda está longe de alcançar essa porcentagem. Dos 513 deputados federais, apenas 77 são mulheres, sendo que duas são do Solidariedade.

A deputada Marina Santos falou da sua vinda para partido e como foi recebida. “Quero parabenizar a Secretaria Nacional da Mulher e a Fundação 1º de Maio pelo projeto. Cheguei no partido agora e estou muito feliz por iniciativas como essa, de qualificar mulher, pois nos mostra que somos tratadas por iguais no Solidariedade”, explicou.

“É um prazer estar e ser Solidariedade. Estou a pouco tempo, mas fui recebida de portas abertas. Nós estamos aqui pela vontade de fazer o Brasil crescer e para isso é preciso se doar, por isso que enfrentamos dificuldades. Aqui no partido somos tratadas como rainhas, nos dão a estrutura necessária para sermos eleitas e somos, principalmente, respeitadas. Esse projeto é muito importante para que não tenhamos dificuldades para preencher os 30% nas eleições”, relatou Dra. Vanda Milani.

A Secretaria Nacional da Mulher do Solidariedade arcará com a estrutura do projeto, além dos custos de transporte, alimentação e hospedagem das participantes.

Sandoval Fernandes, que falou em nome da presidente da Fundação 1º de Maio, Samanta Costa, reforçou a necessidade da colaboração de todos. “Estamos empenhados nesse projeto e queremos muito atingir mulheres de todo país, por isso, contamos com a colaboração de todos os filiados, militantes, para nos ajudar na divulgação do Lidera+”, declarou.

O evento foi encerrado pelo secretário-geral nacional, que falou da dificuldade de ter mulher engajada com a política. “Temos dificuldades para ter mulheres na política e precisamos tirar essa imagem desse ambiente machista. A política existe para ajudar quem mais precisa e que esses espaços sejam preenchidos por pessoas que queiram realmente trabalhar para ajudar as mulheres”, explanou.

Serviços:
As inscrições para o processo seletivo poderão ser feitas de 25 de abril a 14 de junho, por meio do portal http://www.solidariedade.org.br/lidera2019/. Serão selecionadas 100 mulheres, divididas em duas turmas, de acordo com critérios definidos no edital do projeto.