“Quero ser governador” afirma o vereador Papy do Solidariedade em Campo Grande-MS

EPAMINONDAS VICENTE SILVA NETO (29): Vereador eleito pelo SOLIDARIEDADE. Bacharel em Direito, cursou Gestão Pública, ex-Gestor do Trabalho na FUNTRAB/MS. (Fundação do Trabalho de Mato Grosso do Sul. Eleito com 4.152 votos, 3º Secretário da Mesa Diretora da Câmara Municipal de Campo Grande. Carinhosamente chamado de «Papy». Ele foi o entrevistado da semana no programa BOCA DO POVO, comandado pelo jornalista B.

Boca: Qual a origem do seu apelido?.
Ver. PAPY – “Certo dia cheguei da escola muito triste porque faziam “bullyng” comigo. A causa era o meu nome: Epaminondas. Minha mãe me abraçou carinhosamente e olhando no fundo dos meus olhos me explicou assim: “Todos os nomes são bonitos, mas bastante comuns. Seu é nome forte. Nome de general, de doutor, de prefeito, de governador. Epaminondas só você é naquela escola!». Nunca mais esqueci. Senti orgulho de ser o único Epaminondas da escola. A partir daquele momento passei a dizer abertamente que ‹Quando adulto, seria Governador do Estado›. Já sou vereador e sei que nada me impede de um dia governar este Estado. Tenho planos: sou trabalhador, honesto, gosto da política e amo o povo”.

Boca: Qual a origem do seu nome?
Ver. PAPY – “Meu avô foi o melhor patroleiro que a Prefeitura de Campo Grande já teve. Chamava-se Epaminondas. O nome vem do grego que significa “O Melhor”. O mais famoso Epaminondas era um general nascido em Tebas”.

Boca: Quer falar sobre as melhorias no seu gabinete?
Ver. PAPY – “Orgulhar-se de servir ao povo é dar o melhor àqueles que me elegeram. As melhorias foram feitas do meu dinheiro pessoal, para receber bem aqueles que deram condições de ser um vereador. Meus assessores merecem um lugar digno para exercer suas funções de atendimento. O gabinete é a nossa trincheira lutas e atendimento. Precisa estar bonito, limpo, cheiroso e preparado para receber quem vier à nossa procura”.

Boca: Sua mãe é preocupada com seu bem-estar…
Ver. PAPY – “Como dizia o saudoso Henfil: “Quem tem mãe não tem medo”. Minha mãe não cansa de dizer que tem orgulho de ter entregue um filho preparado para a grande missão de servir Campo Grande. Ela é minha amiga, companheira dos bons ou maus momentos – se houverem – e estilizou meu gabinete que ficou bonito e gostoso de trabalhar”.

Boca: É verdade que seu pai “sacrificou” o cargo de fiscal da Secretaria de Fazenda para ser Pastor?
Ver. PAPY – “É!. Meu pai, apóstolo Edilson, é um homem extremamente politizado. Era fiscal do estado, mas pediu exoneração do cargo para se dedicar exclusivamente a Deus. Abriu mão do excelente trabalho como um sacrifício pela fé. É um organizador de igrejas. Seu serviço vai além do pastoral. Preocupa-se de toda a parte burocrática. Assim ele foi ganhando espaço, se  politizando nesses assuntos e militando a questão dos pastores, e para mostrar sua fé, dedicou a segurança de uma profissão como a de fiscal de Rendas, para dedicar-se exclusivamente à religião».

Boca: Você é apaixonado pela política?
Ver. PAPY – “Sou. Em 2004 entrei ‘de cabeça’ na eleição como cabo eleitoral do Herculano Borges. Ganhei muitos votos e me apaixonei mais pela política. Fiz um trabalho voltado para a comunidade. Depois da eleição de Herculano Borges, em 2008, virei assessor dele. Em 2016, chegou a minha vez de ser candidato. Vencí porque trabalhei focado naquilo que sempre acreditei”.

Boca: Quais os planos para este ano?
Ver. PAPY- “Vereador é uma peça importante na administração das cidades. Estou empenhado no resgate da força e prestígio do Legislativo. Há uma idéia coletiva entre todos nós. A ordem é ajudar a resgatar o prestígio legislativo, não fugir dos debates e trabalhar pela cidade».

Boca: Como mudar a ótica sobre a política atual?
Ver. PAPY- “Com muito trabalho, coesão, coletividade e compromisso com a cidade. Sou focado no trabalho. Estou criando um sistema de whatsApp para receber sugestões e reclamações. Daremos retorno a todas as solicitações. É a tecnologia ajudando no trabalho de vereança. Os eleitores querem atenção e retorno de seus anseios e necessidades. Faremos isso”.

Boca: Algo mais?
Ver. PAPY- “Agradeço a oportunidade de ter vindo no seu programa. Gostei tanto que quero ser convidado mais vezes. Agradeço a Deus, aos meus pais e a minha família pela oportunidade de chegar onde estou. Quero parabenizar a BOCA DO POVO e a Rádio DIFUSORA (AM/FM) pelo trabalho jornalístico respeitado e da mais alta relevância à esta sociedade. Agradeço aos que me elegeram. Prometo retribuir-lhes com atenção, trabalho, honradez e moralidade que o cargo exige. A vereança é fundamental numa democracia. Não esqueçam disso. Muito Obrigado!”.