Por que o Solidariedade

O Solidariedade vem, com imensa alegria, respeito e gratidão, congratular-se com todos aqueles que participaram de sua criação, e que não mediram esforços no sentido de que alcançássemos nossos mais profundos objetivos de construção de um Brasil melhor.

Em conjunto com representantes de toda a sociedade, pensamos o Solidariedade com a intenção de formar um partido que seja um instrumento de luta das classes populares, que busque uma relação de compromisso entre o capital e o trabalho, pautado nos princípios da democracia, cooperação, solidariedade e valorização do trabalho humano. Uma agremiação com capacidade de ouvir as demandas, dialogar democraticamente com as esferas de poder, propor soluções e lutar intensamente pelo encaminhamento das proposições que atendam aos anseios do povo.

No momento de sua criação, o Solidariedade já se fazia representar em todas as 27 unidades da Federação por um número expressivo de deputados federais, além de deputados estaduais, prefeitos, vereadores, lideranças políticas, sindicais e de movimentos sociais.

Somos um movimento de forças progressistas que acredita que a sociedade está preparada para uma transformação qualitativa do Estado e de nossa história, em benefício de todos.

Valeu todo o trabalho e o empenho despendidos, mas nossa missão está apenas começando! O Solidariedade é um partido com novas ideias em busca de um novo rumo para o País. O nosso compromisso é com um Brasil com emprego decente, moradia digna, transporte, saúde e educação de qualidade para todos, além de uma sociedade com distribuição de renda justa e igualitária.

Artigo publicado na edição deste domingo (06/10) do Diário de S.Paulo

Paulo Pereira da Silva (Paulinho da Força)
Deputado federal e presidente nacional do Solidariedade