Laércio Oliveira critica proposta de criação do ‘Sistema S da Saúde’

Laercio ressaltou que o Sistema S é mantido por contribuições dos empresários brasileiros. (Foto: Antonio Barbosa da Silva)

O deputado Laércio Oliveira (Solidariedade-SE) esclareceu que é contrário à proposta de criação de um “Sistema S da Saúde”, tema de audiência pública promovida pela Comissão de Seguridade Social e Família no dia 15 de outubro. O parlamentar participou da audiência na qualidade de representante da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

“A posição da CNC é divergente dessa proposta apresentada e trabalharemos contra isso”, afirmou o parlamentar.

Segundo ele, a criação de uma “Sistema S da Saúde” fragmentaria a receita do Serviço Social do Comércio (Sesc) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac).

“Deixaríamos de atender a trabalhadores de todo o Brasil nas áreas social e de formação profissional. Será que isso seria interessante neste momento? Eu creio que não”, argumentou.

Recursos

Laércio observou que a receita da saúde no Brasil não é expressiva e que, nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste já não existem recursos suficientes para o cumprimento dos programas do Sesc e do Senac.

Ele ressaltou que o Sesc e o Senac são mantidos com receitas de contribuições das empresas para o funcionamento do Sistema S.

“A sociedade às vezes acha que é um tributo, mas são contribuições compulsórias dos empresários a serviço dos trabalhadores brasileiros”, explicou.

O parlamentar destacou ainda, que o Sesc o Senac existem há 69 anos e são orgulhos nacionais, reconhecidos pela sociedade brasileira.

“Isso foi construído com muita seriedade e trabalho, sem participação do governo”, pontuou.

Edição – Polianna Furtado
(Com informações da agência Câmara Notícias)