Fortalecimento do Solidariedade exige compromisso de militantes e dirigentes

Depois do Encontro com os secretários da Juventude e da Igualdade Social de todo Brasil, agora foi a vez do partido se reunir com as secretárias estaduais das Mulheres e os secretários dos Aposentados, Pensionistas e Idosos.

Os eventos, realizados em São Paulo na semana passada, nos dias 19 e 20, foram promovidos pelo Solidariedade e pela Fundação 1º de Maio e tiveram como objetivo principal estabelecer uma organização administrativa das secretarias em todos os estados do Brasil, tornando-as mais atuantes.

De acordo com o secretário executivo da Secretaria Geral do Solidariedade, Luiz Antônio Adriano da Silva (Luizão), o planejamento do partido prevê que cada estado do país seja dividido em regiões – os chamados polos –, e que cada região tenha uma pessoa responsável por cobrar ações nos municípios, com o objetivo de ampliar a atuação do Solidariedade nas cidades.

O secretário executivo explica que o trabalho vai aproximar as secretarias estaduais e municipais da Nacional, fortalecendo o partido. “Estamos formando uma rede de auxiliares em cada município em que o Solidariedade está presente para criar uma interlocução com os moradores da cidade e fomentar discussões, abastecendo o partido de informações sobre diversos temas”, afirmou. Os dirigentes também devem cumprir as ações que lhes forem designadas pelo presidente e pela Executiva nacional.

Segundo Luizão, por meio destas informações, o partido vai traçar planos e posicionamentos sobre assuntos de interesse da população, inclusive os polêmicos.

Para o presidente nacional do Solidariedade e deputado federal, Paulinho da Força, o fortalecimento da organização e do planejamento do partido é importante para sua continuidade e crescimento. “Elegemos esse ano, 62 prefeitos, 1.470 vereadores. O resultado não era o que queríamos, mas para um partido com três anos, tivemos um resultado bom na nossa primeira eleição municipal”, afirmou

Paulinho da Força lembrou ainda que “o Solidariedade foi o partido pequeno que mais cresceu. Vencemos uma etapa, mas queremos ir muito além desses resultados”.

Para a presidente da Fundação 1º de Maio, Samanta Costa, o crescimento do Solidariedade depende da dedicação de todos os que fazem parte da legenda. Por isso, a Fundação, junto com o partido, tem realizado diversos eventos com a militância e dirigentes a fim de engajá-los na organização partidária nos estados e municípios.

Aposentados, pensionistas e Idosos – Entre os temas que têm destaque no Solidariedade estão os relacionados aos idosos, aposentados e pensionistas. Para esse grupo da população, o debate é mais do que necessário, urgente. Os secretários estaduais dos Aposentados, Pensionistas e Idosos presentes ao evento levantaram muitas preocupações relacionadas às pessoas a partir dos 60 anos.  Segundo eles, a saúde e a geração de renda são as que mais causam apreensão.

O secretário nacional dos Aposentados, Pensionistas e Idosos do Solidariedade e também presidente do Sindicato Nacional dos Aposentados e Pensionistas e Idosos (Sindinapi), Carlos Ortiz, explica que os anseios dos aposentados e idosos só serão refletidos no partido por meio de dirigentes bem informados e comprometidos com os assuntos relacionados à sua secretaria.

Para ele, é importante que além das discussões partidárias, os dirigentes e militantes estejam envolvidos em conselhos municipais e estaduais que discutam políticas públicas para os idosos. “Não adianta nada o partido ter bandeiras e lutas, se não há uma base esclarecida sobre essas bandeiras e que seja capaz de defendê-las, além de fomentar outras propostas”, ressaltou.

De acordo com Ortiz, entre as prioridades dos idosos estão a melhoria de serviços de saúde, redução nos preços dos remédios e oportunidades no mercado de trabalho, mesmo após a aposentadoria, com a finalidade de aumentar a renda familiar.

Para ser dirigente das secretárias estaduais dos Aposentados, Pensionistas e Idosos, é necessário ter 60 anos ou mais, ser aposentado ou pensionista; ter conhecimento sobre direitos e estatutos relacionados aos aposentados, pensionistas e idosos; participar ou ter interlocução com os grupos que representa, além de disponibilidade para realizar atividades sobre assuntos de interesse dos idosos.

O secretário geral nacional do partido, João Inocentini, esclareceu que os secretários estaduais terão muitas atribuições a serem cumpridas como articular, mobilizar, estimular e apoiar discussões relativas ao idoso com órgãos públicos e instituições da Sociedade Civil que representem a causa. Outra atribuição é elaborar o Plano anual de Trabalho da Secretaria dos Aposentados, Pensionistas e Idosos em conjunto com a Secretaria Geral.

Articulação feminina – As secretárias estaduais da Mulher também participaram de um dia inteiro de debates nos encontros. Nas discussões, o preconceito, a falta de interesse das mulheres na política e o machismo foram os principais pontos levantados. Entretanto, mesmo com as dificuldades, a Secretaria da Mulher foi considerada a mais atuante do Solidariedade.

De acordo com a secretária nacional da Mulher, Eunice Cabral, a pasta tem demonstrado bom desempenho, mas é necessário ampliar a sua participação política e sua articulação. Eunice explica que o mais importante para uma boa atuação feminina dentro do partido é iniciar uma ação de conscientização dos homens que militam e dirigem o Solidariedade nos estados e municípios. “A coisa se dá na base, dentro do partido e nos municípios. Muitas vezes as ações não são realizadas porque a mulher não tem espaço dentro da legenda para trabalhar. Isso não pode mais acontecer”, disse.

Já a secretária estadual da Mulher no estado do Amazonas, Viviane Lima, afirmou que o estado amazonense possui 47 diretórios e que o trabalho com as mulheres sobre o seu papel na política já foi iniciado nos municípios, por meio de atividades e palestras. “Estamos trabalhando para que a secretaria exerça suas funções de maneira melhor, atraindo militantes que se interessam por temas relacionados às mulheres. Também buscamos filiar outras mulheres ao partido, apresentando a ideologia e conscientizando todas sobre a importância de estar na política”, explicou.

Por Luiza Torres