Dr. Leonardo quer debater na CPI das Fakenews acesso a dados no Facebook e Google

Titular da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPI) das Fake News, o deputado federal Dr. Leonardo (Solidariedade-MT) protocolou nessa terça-feira (17) três requerimentos pedindo a presença do Procurador-Geral da República, Diretor-Geral da Polícia Federal e representante da Federação das Associações das Empresas de Tecnologia da Informação (Assespro Nacional) em audiência no colegiado.

O parlamentar quer debater os fundamentos da Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) 51, que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF). A Assespro questiona se a Justiça brasileira possuiria ou não jurisdição sobre as empresas estrangeiras que prestam serviços no Brasil. A então PGR Raquel Dodge se manifestou no sentido de considerar que as empresas de aplicativos como o Facebook e o Google devem obedecer às leis brasileiras para fornecimento de dados, conforme determina o Marco Civil da Internet e o Código de Processo Civil.

De acordo com Dr. Leonardo, as autoridades nacionais precisam obter as informações coletadas por essas empresas para dar efetividade à apuração de muitos crimes cibernéticos. “Considerando o Ministério Público uma instituição autônoma que tem como função defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses sociais e individuais da sociedade; Considerando que a propagação de notícias falsas no ambiente digital levantou suspeitas de afronta à democracia brasileira, de beneficiamento de candidatos e comprometimento do equilíbrio do pleito eleitoral; E que o Ministério Público vem se posicionando em diversos casos, analisando os limites da liberdade de expressão no ambiente digital, o Marco Civil da Internet, considero importante o trabalho conjunto das instituições”, afirma, no requerimento.

Nesse contexto, o parlamentar de Mato Grosso sustenta a relevância do chefe do Ministério Público Federal contribuir com os trabalhos da CPMI por meio da explanação da atuação do órgão no combate às fake news. Como terminou na terça-feira o mandato da procuradora Raquel Dodge à frente da instituição, o convite deve se estender ao procurador Augusto Aras, indicado para o cargo pelo presidente Jair Bolsonaro, que será sabatinado pelo Senado na próxima semana.

CPMI
Composta por 16 senadores, 16 deputados e igual número de suplentes, a CPI mista terá 180 dias para investigar a criação de perfis falsos e ataques cibernéticos nas diversas redes sociais, com possível influência no processo eleitoral e debate público. A prática de cyberbullying contra autoridades e cidadãos vulneráveis também será investigada pelo colegiado, assim como o aliciamento de crianças para o cometimento de crimes de ódio e suicídio.