Deputado Coutinho cobra promessas de Lula e do prefeito Renildo em Olinda (PE)

No dia 2 de dezembro de 2008, o ex-presidente Lula, em discurso nas comunidades V8 e V9, em Olinda (PE), disse achar inadmissível ter, entre a capital de Pernambuco, Recife, e a cidade histórica de Olinda, um canal com o nome de Canal da Malária, local este em que as pessoas viviam arriscadas a pegar doenças por viverem em meio à poluição e de um tremendo mau -cheiro. Na ocasião, Lula prometeu 661 casas, além de um parque a ser construído numa área de mangue, com 7,5 hectares. “No parque teremos duas quadras, um campo de futebol, uma pista de cooper, uma ciclovia, um calçadão para pedestres e uma arena para apresentações culturais. Tudo isto o nosso companheiro Renildo irá inaugurar”, afirmou o petista.

Em visita ao local, cinco anos depois, o deputado federal Augusto Coutinho, do Solidariedade, questiona as obras prometidas pelo ex-presidente e pelo atual prefeito da cidade, Renildo Calheiros (PCdoB). “E as obras? Vocês deveriam terminá-las!”, enfatizou Coutinho. Das moradias entregues, a maioria apresenta rachaduras nas paredes e em sua base. Muitas obras foram abandonadas. Sem saneamento básico, as ruas foram tomadas pelo esgoto, lixo e um crescente matagal, onde, a todo o momento, crianças e adultos correm o risco de contrair doenças.

Apesar da falta de abastecimento, um buraco virou fonte de desperdício da companhia de saneamento, Compesa, que faz a água escorrer 24 horas por dia, causando pontos de alagamento. O cenário que se vê é muito diferente do prometido. Em seu discurso, Lula havia dito que a comunidade teria água encanada, coleta de esgoto, e todos viveriam com dignidade. “Muita gente que mora em outros bairros, certamente terá um certo ciúme do antigo Canal da Malária, porque aqui será um canal de decência para o povo viver”, afirmou Lula, à época.

A dona de casa Selvina Maria dos Santos, 66, lembra que ouviu de Lula que os problemas da comunidade iriam acabar, e hoje teme pela queda de sua casa, totalmente comprometida por enormes rachaduras. “É um absurdo o que acontece aqui. A prefeitura não está nem mesmo executando o serviço básico, que é limpar o canal e retirar o lixo das ruas”, denunciou Coutinho, indignado.