Deputado Arthur Maia se compromete com ações para revitalizar o Rio São Francisco

Em reunião com o diretor da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), Eduardo Motta, o presidente da Frente Parlamentar de Defesa e Desenvolvimento doD Rio São Francisco, o líder do Solidariedade, Arthur Oliveira Maia (BA), recebeu um exemplar do Plano Nascente, composto de propostas de atuação da Companhia em ações de revitalização da bacia voltadas para o aumento da disponibilidade de recursos hídricos. O encontro ocorreu na última quinta-feira (16), na Câmara dos Deputados.

O diretor da Codevasf, Eduardo Motta, que representa a Área de Revitalização das Bacias Hidrográficas do Rio São Francisco, explicou que o Plano de Preservação e Recuperação de Nascentes da Bacia do Rio São Francisco tem o propósito de guiar ações de recuperação de dez mil nascentes situadas na bacia do São Francisco. “Pela primeira vez, a nascente do rio, situada no Parque Nacional da Serra da Canastra, em Minas Gerais, secou. O foco das ações é a preservação e a recuperação ambiental de nascentes, berçário, das águas, e de suas áreas de recarga hídrica”, afirmou.

Durante a discussão sobre o Plano, o deputado Arthur Maia (Solidariedade-BA) defendeu a elaboração de um plano diretor que projeta ações de curto, médio e longo prazos em favor do Rio São Francisco. “Seria um projeto continuado para todas as gerações futuras. Penso que essa pauta deve ser tratada com extrema atenção e ter prioridade nacional”, enfatizou Maia.

O parlamentar criticou, ainda, o que chamou de obras faraônicas, como a transposição do Rio São Francisco, e defendeu medidas simples que gerem riqueza à beira do rio e atendam as famílias ribeirinhas. “Eu sou a favor da privatização com a mão de obra local com pequenos proprietários, inclusive dando oportunidade de uma atividade de subsistência para aquelas comunidades. É a forma mais barata e eficiente de preservar o rio”, opinou.

De acordo com o diretor da Codevasf, a revitalização do rio só terá êxito com a participação efetiva de toda a comunidade, dos governos, das prefeituras e da sociedade civil organizada. “Quem está operando a revitalização hoje é a Codevasf, quando deveria ser toda a sociedade. Tem que ser uma política de Estado e não de uma instituição sozinha”, disse Motta.

Maia concordou com a afirmação e destacou ainda que a sociedade também precisa mobilizar-se em favor da preservação do rio. “Devemos envolver toda a sociedade. Temos que construir uma solução economicamente sustentável. Em vez de preservar o rio, todo mundo quer tirar mais um pouquinho dele. Isso é preocupante. O Velho Chico não pode morrer”, disse o deputado.

Motta mencionou ainda a importância de que haja a promoção de projetos de economia sustentável em paralelo aos de recuperação hidroambiental. “O homem que vive na bacia do rio São Francisco também precisa ser revitalizado, para que não haja caça, pesca predatória, desmatamento para produção de carvão. Tornar o rio intermitente seria um caos”, concluiu.

Fonte: Assessoria de imprensa – deputado Arthur Oliveira Maia