Com apoio do Solidariedade, Cartão Reforma é aprovado na Câmara 

A bancada do Solidariedade votou a favor da proposta que cria o Cartão Reforma. Com ele, famílias com renda mais baixa poderão receber até R$ 5 mil para comprar materiais de construção. O programa, aprovado por unanimidade nesta terça (28) na Câmara, deve beneficiar pelo menos 100 mil famílias que queiram fazer melhorias em suas casas ou terminar uma construção. A proposta ainda vai passar pelo Senado.

O deputado federal do Solidariedade Lucas Vergilio (GO) foi relator revisor do projeto e, em plenário, defendeu sua aprovação. “Esse programa tem como público-alvo famílias carentes que precisam reformar suas casas para dar mais qualidade de vida e mais conforto e que possam ser chamadas de lares”, afirmou.

Segundo o PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), cerca de 7,6 milhões de moradias precisam ser reformadas, quase metade dessas casas pertencem a famílias que podem ser atendidas pelo programa. “Além de beneficiar essas famílias, o Cartão Reforma também vai melhorar a economia local e, com isso, poderemos ampliá-lo. Atender 100 mil moradias é muito pouco, mas já é um passo dado”, argumentou o líder do Solidariedade e deputado federal, Aureo (RJ).

O parlamentar do Rio de Janeiro destacou que também já apresentou proposta para que os beneficiados por programas habitacionais do Governo tenham acesso, de forma subsidiada, à internet e televisão a cabo.

Como funciona o Cartão Reforma

Famílias que tenham renda de até R$ 2.811,00 e sejam proprietárias, possuidores ou detentoras do imóvel poderão solicitar o benefício. O valor será disponibilizado pelo Ministério das Cidades, via Caixa Econômica Federal.

O cartão terá em média R$ 5 mil de limite e poderá ser utilizado em lojas de matérias de construção cadastradas no programa. O projeto também beneficia pessoas com deficiência que precisam fazer adaptação em suas moradias, como construção de rampas ou barras de apoio.

O Cartão Reforma prioriza famílias em que mulheres são as principais provedoras, que tenham pessoas com deficiência ou idosos e com renda mais baixa.

CARTÃO REFORMA