Eleição piora condições financeiras e juro real sobe – Valor Econômico

O cenário eleitoral indefinido, além do ambiente mais avesso aos mercados emergentes, impôs um aperto das condições financeiras no Brasil, com forte subida do juro real, mesmo com a taxa básica sendo mantida pelo Banco Central em 6,5% ao ano desde maio. O mercado de taxas futuras embute uma alta de quase dois pontos percentuais para o prazo de um ano, o que tende a pressionar o custo crédito e as expectativas para a economia.

O juro real – considerando o swap de juro de 360 dias, na casa dos 8,2%, descontada a inflação de 3,8% esperada para os próximos 12 meses – alcança 4,14%, quase dois pontos acima da taxa de 2,17% registrada em 27 de abril, menor patamar desde junho de 2012.

Continue lendo